Próximo
Anterior

Teatro

Cena Contemporânea – Festival Internacional de Teatro de Brasília – 2019

20.08 a 01.09
CP

Saiba mais sobre a peça

O Cena contemporânea é um dos cinco maiores festivais internacionais de artes cênicas do Brasil e o maior da região central do país, e traz em sua 20ª edição releituras de mitos gregos, criações coletivas e narrativas contemporâneas, contando com 14 espetáculos no total, sendo dois deles internacionais e tendo peças premiadas no Brasil e no exterior.

O festival traz um apanhado incrível de encenações que propõem reflexões sobre amor, morte, identidade, raízes e tudo aquilo que nos singulariza e distingue somando dramaturgias originais a releituras de grandes clássicos como “Antígona” e “A ira de Narciso”

Programação
20/08 – Terça
20h – Antígona – Andréa Beltrão – RJ
22/08 e 23/08 – Quinta e sexta
20h – O Desmanche das Musas – La Zaranda – Espanha
24/08 e 25/08 – Sábado e Domingo
20h – A Invenção do Nordeste – Grupo Carmim – RN
27/08 e 28/08 – Terça e Quarta
20h – A Ira de Narciso – Gilberto Gawronsky – RJ
30/08, 31/08 e 01/09 – Sexta, sábado e domingo
20h – Sonhos na Areia – Lorène Bihorel – França

Sinopses
Antígona – 60min – 16 anos
Com: Andrea Beltrão
Autoria: Sófocles
Tradução: Millôr Fernandes
Dramaturgia: Amir Haddad e Andrea Beltrão
Direção: Amir Haddad
Numa atuação que lhe rendeu o prêmio de Melhor Atriz pela Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA), Andréa Beltrão estrela o espetáculo baseado na tragédia do grego Sófocles, com direção de Amir Haddad. “Antígona” foi escrita em 441 a.C. e é reconhecida por enaltecer o poder feminino. A jovem Antígona é a última descendente dos que originaram a cidade de Tebas, na Grécia. Na peça, uma jovem princesa enfrenta a ordem do rei Creonte de deixar sem sepultura seu irmão que lutou na guerra. Mas ao contrário do autor original (que partiu do mito já conhecido para chegar ao teatro), na Antígona de Haddad e Andrea, parte-se do teatro para chegar ao mito que dá nome ao espetáculo.
Uma das preocupações da montagem é colocar as pessoas a par dos acontecimentos míticos. Na Grécia antiga, o público sabia, de antemão, quem eram os personagens que apareciam e eram citados no texto: o temperamento, a genealogia e a história dos deuses e mitos fazia parte do cotidiano. Então, a partir disso, o público consegue ir mais fundo na mensagem de Sófocles.
Amir Haddad dirigiu grupos alternativos na década de 1970 e fundamentou uma linha de trabalho que inclui a disposição não convencional da cena, a desconstrução da dramaturgia, a utilização aberta dos espaços cênicos e a interação entre atores e espectadores. Na década de 80 fundou o Grupo Tá na Rua, do qual faz parte até hoje.

O desmanche das musas / El desguace de las musas – 1h40min – 18 anos
Espetáculo falado em espanhol e legendado em português
La Zaranda, Teatro Inestable de Ninguna Parte (Espanha)
Elenco: Gabino Diego, Inma Barrionuevo, Francisco Sánchez, Gaspar Campuzano,
Enrique Bustos e Mª Ángeles Pérez-Muñoz
Texto: Eusebio Calonge
Direção: Paco de La Zaranda
Apoio: Embaixada da Espanha
A cortina de lantejoulas revela cheiro de suor e desinfetante. As notas musicais estão espalhadas na penumbra. Preguiça de roupões de banho, moletons e collants remendados, vestidos desplumados, bugigangas brilhantes e acessórios para microfones. A careta da morte escondida atrás da maquiagem barata. O espetáculo apresenta a alegoria de uma cultura que apenas aguarda seu colapso, num espaço insalubre onde um núcleo de artistas isolados resiste, exausto, entre a resignação e a amargura, sem qualquer heroísmo, à mercê de uma época que renuncia ao poético.
Com mais de 40 anos de vida, La Zaranda, Teatro Inestable de Ninguna Parte é um dos mais importantes grupos teatrais da Espanha. A companhia se caracteriza por uma profunda reflexão da realidade, entendida como um ponto de encontro entre um futuro que não chega e um passado sempre presente. Seus espetáculos não apresentam respostas, ao contrário, agem como a consciência do espectador, para quem o grupo planta palavras na forma de imagens.

A invenção do nordeste – 60min – 14 anos
Grupo Carmin (RN)
Com: Henrique Fontes, Mateus Cardoso e Robson Medeiros
Direção e figurino: Quitéria Kelly
Assistência de direção, dramaturgia audiovisual e desenho de luz: Pedro Fiuza
Consultoria histórica e de roteiro: Durval Muniz de Albuquerque Jr.
Direção de arte e cenografia: Mathieu Duvignaud
Dramaturgia: Henrique Fontes e Pablo Capistrano
Preparação corporal: Ana Claudia Albano Viana
Preparação vocal: Gilmar Bedaque
Trilha original: Gabriel Souto/Toni Gregório.
Um diretor é contratado por uma grande produtora para realizar a missão de selecionar um ator nordestino que possa interpretar com maestria um personagem nordestino. Depois de vários testes e entrevistas, dois atores vão para a final e o diretor tem sete semanas para deixá-los prontos para o último teste. Durante as sete semanas de preparação, os atores refletem sobre sua identidade, cultura, história pessoal e descobrem que ser e viver um personagem nordestino não é tarefa simples.
A encenação, inspirada na obra homônima do Prof. Dr. Durval Muniz de Albuquerque Jr., investiga os mecanismos estéticos, históricos e culturais que contribuíram para a formação de uma visão do nordeste brasileiro como um espaço idealizado, deslocado do processo histórico e imune ao impacto das grandes transformações sociais. A identidade nordestina entra em cheque. Afinal, existiria apenas uma identidade nordestina?
Em 2019, “A Invenção do Nordeste” ganhou o Prêmio Cesgranrio de Melhor Espetáculo; Prêmio Shell de Melhor Dramaturgia; Prêmio Botequim Cultural de Melhor Autor; Prêmio do Humor de Melhor Dramaturgia, Direção e Espetáculo e o Prêmio APTR – Associação dos Produtores de Teatro do Rio de Janeiro, nas categorias “Autor” e “Ator Coadjuvante”.

A ira de narciso – 100min – 18 anos
Gilberto Gawronski (SP)
Autor: Sergio Blanco
Idealizador e Tradutor: Celso Curi
Ator: Gilberto Gawronski
Diretora: Yara de Novaes
Ator Assistente: Murillo Basso ou Carlos Jordão
Diretor Musical: Dr. Morris
Cenógrafo: André Cortez
Iluminador: Wagner Antonio
Figurinista: Fábio Namatame
Produtor Executivo: Pedro de Freitas e Périplo Produções
O personagem – interpretado por Gilberto Gawronski – é o próprio autor, de passagem pela cidade de Liubliana, capital da Eslovênia, onde vai ministrar uma conferência sobre o Mito de Narciso. Tendo como ambientação o quarto do hotel onde o autor está hospedado, o texto apresenta os últimos preparativos da conferência, ao mesmo tempo em que nos fala sobre os diferentes encontros com um jovem esloveno que acabara de conhecer. A partir da descoberta de uma mancha de sangue no carpete, o relato da viagem profissional e dos encontros amorosos dá lugar a uma intriga policial inusitada. Alternando narração, palestra e confissão, a peça é uma jornada fascinante e arriscada que conduz o espectador num confuso labirinto do eu, da linguagem e do tempo.
A direção é de Yara de Novaes que enxerga a peça como um portal de reflexão sobre o artista contemporâneo em embate consigo mesmo, com sua criação, o mundo das coisas e a natureza. O sucesso em relação a público e crítica renderam a Gilberto Gawronski uma indicação ao Prêmio Shell SP 2018 por sua atuação.

Sonhos na areia (Des Rêves dans le sable) – 60min – Livre
Lorène Bihorel (França)
Criação e atuação: Lorène Bihorel
Apoio: Embaixada da França e Institut Français
“Sempre desenhei… Tive a sorte de nascer em uma família de pintores. Eu não fiz Belas Artes, minha experiência foi construída sobre o desejo de desenhar. O desenho na areia me abriu um novo campo de expressão. A areia está viva, em movimento. Cada gesto conta, é uma precisão cada momento. O desenhista geralmente trabalha sozinho. Graças a essa técnica eu posso compartilhar a magia da criação com o público…”.
Lorène Bihorel afirma com este espetáculo a sua singularidade artística. Em uma mesa de luz, os desenhos nascem e se transformam. Projetados ao fundo do palco, eles formam um eco para as palavras. Poderosamente evocativas, em movimento perpétuo, essas pinturas efêmeras fascinam os espectadores. Desde as primeiras notas da música somos levados a um mundo de fantasia.
O espetáculo já realizou mais de 600 sessões na França e esta é a primeira turnê fora da Europa. Em 2014, “Des rêves dans le sable” recebeu o Prêmio do Público no festival Avignon Off.

Serviço:
Cliente Ourocard tem desconto de 50% em todos os espetáculos.
Programação completa do projeto: cenacontemporanea.com.br.

Gostou do evento?

CCBB DFcomo chegar

Centro Cultural Banco do Brasil Brasília

SCES, Trecho 02, lote 22 CEP: 70200-002 | Brasília (DF) (61) 3108-7600

ccbbdf@bb.com.brFuncionamento: de terça a domingo, das 9h às 21 horas

Como chegar