AVISO: No dia 02/10, devido às eleições, o CCBB RJ funcionará das 12h às 21h.

Próximo
Anterior

Cinema

Surrealismo e Vanguardas

23.07 a 11.08
  • Ingresso

    Inteira R$ 4 | Meia R$ 2

  • Como chegar

    Visualizar
CP

Saiba mais sobre o filme

Retrospectiva com filmes da vanguarda surrealista no cinema, proveniente de importantes acervos internacionais. Serão exibidas obras primas de Luís Buñuel, Man Ray, René Clair e Maya Deren, dentre outros artistas fundamentais para a renovação da linguagem cinematográfica.

 

PROGRAMAÇÃO DA MOSTRA

 

Dia 23/07 (Quarta-feira)

 

17h – Sessão Man Ray (Classificação Indicativa: Livre)

Emak-Bakia – Direção: Man Ray. 1927, 35mm, 18 min
L’Etoile de Mer (Estrela do Mar) – Direção: Man Ray. 1928, 35mm, 21 min
Les Mystères du Chateau du Dé – Direção: Man Ray. 1929, 35mm, 27 min

19h – Sessão Luís Buñuel (Classificação Indicativa: Livre)

A Idade de Ouro (L’âge D’or) – Direção: Luís Buñuel. 1930, 35mm, 63 min
Um Cão Andaluz – Direção: Luís Buñuel. 1928, 35mm, 16 min.

 

Dia 24/07 (Quinta-feira)

 

17h - A Nós a Liberdade – Direção: René Clair. 1931, DVD, 80 min. Classificação Indicativa : Livre

19h - Traité de bave et d’eternité – Direção: Isidore Isou. 1951, 35mm, 123 min. Classificação Indicativa : 14 anos

 

Dia 25/07 (Sexta-feira)

 

17h – Sessão Joseph Cornell (Classificação indicativa: Livre)

Rose Robart – Direção: Joseph Cornell. 1936, DVD, 20 min.
By Night with Torch and Spear – Direção: Joseph Cornell. 1942, DVD, 8 min.
Aviary – Direção: Joseph Cornell. 1955, DVD, 14 min.
Centuries of June – Direção: Joseph Cornell. 1955, DVD, 11 min.
Gnir Rednow – Direção: Joseph Cornell. 1955-1970, DVD, 6 min
Angel – Direção: Joseph Cornell. 1957, DVD, 3 min
Nymphlight – Direção: Joseph Cornell, 1957, DVD, 8 min.
A Legend for Fountains – Direção: Joseph Cornell. 1857-1965, DVD, 17 min.

19h - Limite – Direção: Mário Peixoto. 1931, DVD, 120 min.
Classificação Indicativa : Livre

 

Dia 26/07 (Sábado)

 

15h30 - Traité de bave et d’eternité – Direção: Isidore Isou. 1951, 35mm, 123 min. Classificação Indicativa : 14 anos

18h – Sessão Luís Buñuel (Classificação indicativa: Livre)

A Idade de Ouro (L’âge D’or) – Direção: Luís Buñuel. 1930, 35mm, 63 min
Um Cão Andaluz – Direção: Luís Buñuel. 1928, 35mm, 16 min.

 

Dia 27/07 (Domingo)

 

15h30 - Limite – Direção: Mário Peixoto. 1931, DVD, 120 min. Classificação Indicativa : Livre

18h – Sessão Man Ray (Classificação indicativa: Livre)

Emak Bakia – Direção: Man Ray. 1927, 35mm, 18 min
L’Etoile de Mer (Estrela do Mar) – Direção: Man Ray. 1928, 35mm, 21 min
Les Mystères du Chateau du Dé – Direção: Man Ray. 1929, 35mm, 27 min

 

Dia 28/07 (Segunda-feira)

 

17h – Sessão Joseph Cornell (Classificação indicativa: Livre)

Rose Robart – Direção: Joseph Cornell. 1936, DVD, 20 min.
By Night with Torch and Spear – Direção: Joseph Cornell. 1942, DVD, 8 min.
Aviary – Direção: Joseph Cornell. 1955, DVD, 14 min.
Centuries of June – Direção: Joseph Cornell. 1955, DVD, 11 min.
Gnir Rednow – Direção: Joseph Cornell. 1955-1970, DVD, 6 min
Angel – Direção: Joseph Cornell. 1957, DVD, 3 min
Nymphlight – Direção: Joseph Cornell, 1957, DVD, 8 min.
A Legend for Fountains – Direção: Joseph Cornell. 1857-1965, DVD, 17 min.

19h - A Nós a Liberdade – Direção: René Clair. 1931, DVD, 80 min. Classificação Indicativa : Livre

 

Dia 30/07 (Quarta-feira)

 

17h – Sessão James Broughton 1 (Classificação indicativa: 16 anos)

The Pleasure Garden – Direção: James Broughton. 1953, 16mm, 38 min.
The Bed – Direção: James Broughton. 1968, 16mm, 20 min.
Testament – Direção: James Broughton. 1974, 16mm, 20 min.

19h – Sessão Maya Deren 1 (Classificação indicativa: Livre)

Study in Choreography for Camera – Direção: Maya Deren. 1945, 16mm, 3 min.
At Land – Direção: Maya Deren. 1944, DVD, 14 min.
Tramas do Entardecer (Meshes of Afternoon) – Direção: Maya Deren. 1943, 16mm, 13 min.
Ritual in Transfigured Time – Direção: Maya Deren. 1946, 16mm, 14 min.
The Very Eye Of Night – Direção: Maya Deren. 1958.16mm, 15 min.

 

Dia 31/07 (Quinta-feira)

 

17h – Sessão James Broughton 2 (Classificação indicativa: 16 anos)

Dreamwood – Direção: James Broughton. 1972, 16mm, 45 min.
Devotions – Direção: James Broughton, Joel Singer. 1983, 16mm, 22 min.

19h – Sessão Maya Deren 2 (Classificação indicativa: Livre)

Meditation on Violence – Direção: Maya Deren. 1948, 16mm, 10 min.
Divine Horsemen: The Living Gods of Haiti – Direção: Maya Deren, Cherel Ito e Teiji Ito. 1951 – 1985, 16mm, 55 min.

 

Dia 01/08 (Sexta-feira)

 

17h – Sessão Germaine Dulac + Jean Genet (Classificação indicativa: 18 anos)

Um Chant D’Amour – Direção: Jean Genet. 1950, 35mm, 26 min
A Concha e o Clérigo (La Coquille et le Clergymen) – Direção: Germaine Dulac. 1928, 35mm, 40 min.

19h – Sessão de Curtas René Clair + Fernand Léger + Marcel Duchamp (Classificação indicativa: Livre)

Anemic Cinema – Direção: Marcel Duchamp. 1926, blu-ray.
Ballet Mécanique – Direção: Fernand Léger, Dudley Murphy. 1923, 35mm, 19 min.
Entr’act – Direção: René Clair. 1924, 35mm, 20 min.

 

Dia 02/08 (Sábado)

 

16h – Sessão Maya Deren 1 (Classificação indicativa: Livre)

Study in Choreography for Camera – Direção: Maya Deren. 1945, 16mm, 3 min.
At Land – Direção: Maya Deren. 1944, DVD, 14 min.
Tramas do Entardecer (Meshes of Afternoon) – Direção: Maya Deren. 1943, 16mm, 13 min.
Ritual in Transfigured Time – Direção: Maya Deren. 1946, 16mm, 14 min.
The Very Eye Of Night – Direção: Maya Deren. 1958.16mm, 15 min.

18h – Sessão Germaine Dulac + Jean Genet (Classificação indicativa: 18 anos)

Um Chant D’Amour – Direção: Jean Genet. 1950, 35mm, 26 min
A Concha e o Clérigo (La Coquille et le Clergymen) – Direção: Germaine Dulac. 1928, 35mm, 40 min.

 

Dia 03/08 (Domingo)

 

16h – Sessão James Broughton 1 (Classificação indicativa: Livre)

The Pleasure Garden – Direção: James Broughton. 1953, 16mm, 38 min.
The Bed – Direção: James Broughton. 1968, 16mm, 20 min.
Testament – Direção: James Broughton. 1974, 16mm, 20 min.

18h – Sessão de Curtas René Clair + Fernand Léger + Marcel Duchamp (Classificação indicativa: Livre)

Anemic Cinema – Direção: Marcel Duchamp. 1926, blu-ray.
Ballet Mécanique – Direção: Fernand Léger, Dudley Murphy. 1923, 35mm, 19 min.
Entr’act – Direção: René Clair. 1924, 35mm, 20 min.

 

Dia 04/08 (Segunda-feira)

 

17h – Sessão Maya Deren 2 (Classificação indicativa: Livre)

Meditation on Violence – Direção: Maya Deren. 1948, 16mm, 10 min.
Divine Horsemen: The Living Gods of Haiti – Direção: Maya Deren, Cherel Ito e Teiji Ito. 1951 – 1985, 16mm, 55 min.

19h – Sessão James Broughton 2

Dreamwood – Direção: James Broughton. 1972, 16mm, 45 min.
Devotions – Direção: James Broughton, Joel Singer. 1983, 16mm, 22 min.

 

Dia 06/08 (Quarta-feira)

 

15h - Sessão Joseph Cornell (Classificação indicativa: Livre)

Rose Robart – Direção: Joseph Cornell. 1936, DVD, 20 min.
By Night with Torch and Spear – Direção: Joseph Cornell. 1942, DVD, 8 min.
Aviary – Direção: Joseph Cornell. 1955, DVD, 14 min.
Centuries of June – Direção: Joseph Cornell. 1955, DVD, 11 min.
Gnir Rednow – Direção: Joseph Cornell. 1955-1970, DVD, 6 min
Angel – Direção: Joseph Cornell. 1957, DVD, 3 min
Nymphlight – Direção: Joseph Cornell, 1957, DVD, 8 min.
A Legend for Fountains – Direção: Joseph Cornell. 1857-1965, DVD, 17 min.

17h - Salomé – Direção: Téo Hernandez. 1976, 16mm, 65 min. Classificação Indicativa : 18 anos

19h – Sessão Sidney Peterson (Classificação indicativa: Livre)

The Potted Psalm – Direção: Sidney Peterson, James Broughton. 1946, 16mm, 17 min.
The Cage – Direção: Sidney Peterson. 1947, 16mm, 28 min.
The Lead Shoes – Direção: Sidney Peterson, 1949, 16mm, 18 min.

 

Dia 07/08, quinta-feira

 

15h - A Nós a Liberdade – Direção: René Clair. 1931, DVD, 80 min. Classificação Indicativa : Livre

17h – Sessão Jean Painlevé (Classificação indicativa: Livre)

Mathusalem – Direção: Jean Painlevé, 1926, 16mm, 7 min.
Hyas et Stenoriques – Direção: Jean Painlevé, 1927, 16mm, 13 min.
Le Bernard – L’Hermite – Direção: Jean Painlevé, 1927, 16mm, 13 min.
Caprelles – Direção: Jean Painlevé, 1929, 16mm, 8 min.
Le Quatrieme Dimension – Direção: Jean Painlevé, 1936, 16mm, 10 min
Le Vampire – Direção: Jean Painlevé, 1939, 16mm, 9 min.

19h - L’ange – Direção: Patrick Bokanowski. 1982, 35mm, 70 min. Classificação Indicativa : 14 anos

 

Dia 08/08, sexta-feira

 

15h – Sessão Oskar Fischinger + Len Lye (Classificação indicativa: Livre)

Wachs Experimente – Direção: Oskar Fischinger. 1923, 16mm, 9 min.
München Berlin Wanderung – Direção: Oskar Fischinger. 1927, 16mm, 5 min.
Seelische Konstruktionen – Direção: Oskar Fischinger. 1927, 16mm, 7 min.
Komposition in Blau – Direção: Oskar Fischinger. 1935, 16mm, 4 min.
Motion Painting 1 – Direção: Oskar Fischinger. 1947, 16mm, 11 min.
Tusalava – Direção: Len Lye. 1929, 16mm, 11 min.
Kaleidoscope – Direção: Len Lye, 1935, 16mm, 4 min.
Colour Flight – Direção: Len Lye, 1938, 16mm, 4 min.

17h - Salomé – Direção: Téo Hernandez. 1976, 16mm, 65 min. Classificação Indicativa : 14 anos

19h – Debate com Luiz Fernando Gallego e Cristiana Miranda

 

Dia 09/08, sábado

 

16h – Sessão Oskar Fischinger + Len Lye (Classificação indicativa: Livre)

Wachs Experimente – Direção: Oskar Fischinger. 1923, 16mm, 9 min.
München Berlin Wanderung – Direção: Oskar Fischinger. 1927, 16mm, 5 min.
Seelische Konstruktionen – Direção: Oskar Fischinger. 1927, 16mm, 7 min.
Komposition in Blau – Direção: Oskar Fischinger. 1935, 16mm, 4 min.
Motion Painting 1 – Direção: Oskar Fischinger. 1947, 16mm, 11 min.
Tusalava – Direção: Len Lye. 1929, 16mm, 11 min.
Kaleidoscope – Direção: Len Lye, 1935, 16mm, 4 min.
Colour Flight – Direção: Len Lye, 1938, 16mm, 4 min.

18h – Sessão Sidney Peterson (Classificação indicativa: Livre)

The Potted Psalm – Direção: Sidney Peterson, James Broughton. 1946, 16mm, 17 min.
The Cage – Direção: Sidney Peterson. 1947, 16mm, 28 min.
The Lead Shoes – Direção: Sidney Peterson, 1949, 16mm, 18 min.

 

Dia 10/08, domingo

 

16h – Sessão Jean Painlevé (Classificação indicativa: Livre)

Mathusalem – Direção: Jean Painlevé, 1926, 16mm, 7 min.
Hyas et Stenoriques – Direção: Jean Painlevé, 1927, 16mm, 13 min.
Le Bernard – L’Hermite – Direção: Jean Painlevé, 1927, 16mm, 13 min.
Caprelles – Direção: Jean Painlevé, 1929, 16mm, 8 min.
Le Quatrieme Dimension – Direção: Jean Painlevé, 1936, 16mm, 10 min
Le Vampire – Direção: Jean Painlevé, 1939, 16mm, 9 min.

18h – Sessão Henri Storck (Classificação indicativa: Livre)

Images D’Ostende – Direção: Henri Storck. 1929, 16mm, 15 min.
Trains de Plaisir – Direção: Henri Storck. 1930, 16mm, 7 min.
Une Idylle a la Plage – Direção: Henri Storck. 1931, 16mm, 35 min.
Le Histoire du Soldat Inconnu – Direção: Henri Storck, 1931, 16mm, 10 min.
Sur les Bords de la Caméra – Direção: Henri Storck. 1932, 16mm, 10 min.

 

Dia 11/08, segunda-feira

 

17h – Sessão Henri Storck (Classificação indicativa: Livre)

Images D’Ostende – Direção: Henri Storck. 1929, 16mm, 15 min.
Trains de Plaisir – Direção: Henri Storck. 1930, 16mm, 7 min.
Une Idylle a la Plage – Direção: Henri Storck. 1931, 16mm, 35 min.
Le Histoire du Soldat Inconnu – Direção: Henri Storck, 1931, 16mm, 10 min.
Sur les Bords de la Caméra – Direção: Henri Storck. 1932, 16mm, 10 min.

19h - L’ange – Direção: Patrick Bokanowski. 1982, 35mm, 70 min. Classificação Indicativa : 14 anos

 

 

SINOPSES

 

Ballet Mécanique

Um caleidoscópio de imagens definido por uma trilha sonora energética. Cilindros, pistões, engrenagens , turbinas, objetos de cozinha e outros temas ligados à indústria parecem mostrar que as máquinas estão tirando a natureza humana da humanidade.

(19 min, 1923, 35mm, Livre)

Direção: Fernand Léger e Dudley Murphy
Roteiro: Fernand Léger
Fotografia: Dudley Murphy e Man Ray
Música: George Anthell e Paul D. Lehrman
Elenco: Fernand Léger, Dudley Murphy, Katherine Murphy, Katrin Murphy, Kiki de Montparnasse

 

Wachs Experimente

Entre os primeiros filmes abstratos realizados por Fischinger está Wachs Experimente, filme bastante radical onde imagens e padrões visuais se entrepõem de forma circular.

(9 min, 1923, 16mm, Livre)

Direção e design de animação: Oskar Fischinger

 

Entr’acte

Um filme dadaísta. Alguém morre, seu caixão fica fora de controle e, após uma perseguição, ele pára. O morto se levanta e faz todos os que seguiram o caixão desaparecerem.

(20 min, 1924, 35mm, Livre)

Direção: René Clair
Roteiro: Francis Picabia e René Clair
Produção: Rolf de Maré
Fotografia: Jimmy Berliet
Música: Erik Satie
Elenco: Jean Börlin, Inge Frïss, Francis Picabia, Marcel Duchamp, Man Ray, Darius Milhaud, Marcel Achard, Georges Auric, Georges Charensol, Georges Lacombe, Roger Le Bon, Jean Mamy, Rolf de Maré, Erik Satie, Pierre Scize, Louis Touchages

 

Anemic Cinema

De título anagramático, Anemic Cinema é um filme dadaísta, mudo e experimental, dirigido pelo artista plástico Marcel Duchamp em 1926, com ajuda de Man Ray, Marc Allegret e Calvin Tomkins. Duchamp põe em movimento circunferências rotatórias, nas quais desenhou linhas e círculos concêntricos e excêntricos. Ao girarem, provocam no espectador um efeito hipnótico. Com ênfase nos valores rítmicos e estéticos e desprezo pelas estruturas narrativas convencionais, Duchamp e outros representantes da vanguarda cinematográfica francesa dos anos 20 buscavam um “cinema absoluto”, ou “cinema puro”. Mas o resultado não agradou ao próprio artista, e esta foi sua única incursão na direção.

(7 min, 1926, 35mm, Livre)

Direção: Marcel Duchamp
Produção: Marcel Duchamp, Man Ray, Marc Allegret, Calvin Tomkins

 

München Berlin Wanderung

Durante o verão de 1927, Fischinger andou de Munich a Berlin, filmando sua jornada expondo a película sempre em um único frame. O filme é uma premonição do cinema diário que viria duas gerações mais tarde.

(5 min, 1927, 16mm, Livre)

Direção e fotografia: Oskar Fischinger.

 

Seelische Konstruktionen

Animação experimental construída a partir de imagens de silhueta, com breves ensaios com bonecos animados, desenhos a carvão e recortes de papel. A figura principal do filme explora a ação de dois bêbados em um bar.

(7 min, 1927, 16mm, Livre)

Direção e animação: Oskar Fischinger.

 

Mathusalem

Mathusalem é uma peça de 1922 escrita por Ivan Goll, considerado um precursor do teatro do absurdo. Durante o filme, cinco seqüências foram projetadas e filmadas contra o pano de fundo de nuvens brancas feitas por Jean Painlevé.

(7 min, 1927, 16mm, Livre)

Direção: Jean Painlevé
Roteiro: Ivan Goll
Música: Maxime Jacob
Elenco: Antonin Artaud, Marcel Barencey, Henri Marchand, Jean Painlevé

 

Emak – Bakia

Um dos primeiros filmes do diretor Man Ray, pode ser descrito como um cine-poema. Uma longa série de imagens aleatórias, muitas vezes distorcidas: luzes, flores, unhas. Em seguida, um olho. Uma mulher em um carro dirige ao longo das estradas. Animais de fazenda. Ela desce do carro, uma e outra vez. Imagens: pernas dançando, litoral, peixes da natação, formas geométricas, corte de vidro. Um homem remove o colarinho engomado. Ele gira. Olhos de uma mulher.

(18 min, 1927, 35mm, Livre)

Direção, roteiro, produção e fotografia: Man Ray
Música: Jacques Guillot
Elenco: Kiki de Montparnasse, Jacques Rigaut

 

L’Etoile de Mer ( Estrela do Mar)

Baseado no poema “Estrela do Mar”, de Robert Desnos, o filme conta a história de um homem e uma mulher que caminham juntos ao longo de uma vereda. A mulher detém-se e puxa para cima a meia que lhe cobre a perna esquerda. O homem e a mulher sobem uma escada que os conduz a um quarto, onde a mulher começa a despojar-se das roupas, até ficar nua sobre a cama. O homem despede-se e parte. Mais tarde, o homem depara com a mulher que se encontra na rua a vender jornais e esta oferece-lhe uma estrela-do-mar encerrada num frasco.

(21 min, 1928, 35mm, Livre)

Direção, produção e fotografia: Man Ray
Roteiro: Robert Desnos
Música: Erik Satie
Elenco: Kiki de Montparnasse, André de la Riivière, Robert Desnos

 

La Coquille et le Clergymen ( A Concha e o Clérigo)

Obcecado com a mulher de um general, um clérigo tem estranhas visões da morte e do desejo, lutando contra o seu próprio erotismo.

(40 min, 1928, 35mm, Livre)

Direção e produção: Germaine Dulac
Roteiro:, Antonin Artaud, Germaine Dulac
Fotografia: Paul Guichard, Paul Parguel
Música: Iris ter Schiphorst
Produtora: Délia Film
Elenco: Alex Allin, Genica Athanasiou, Lucien Bataille

 

Un Chien Andalou (Um Cão Andaluz)

Considerado o ícone do cinema surrealista, o filme não possui uma estrutura narrativa linear. O que se vê são uma série de imagens aparentemente desconexas que Salvador Dalí e Buñuel extraíram a partir dos próprios sonhos. Um homem afia uma lâmina e corta o olho de uma mulher ao meio, como as nuvens que atravessam a lua cheia; Um outro, vestido de freira e com uma caixa junto ao peito, cai da bicicleta. Uma mulher leva-o para casa e ele observa a sua mão cheia de formigas. Da sua janela o casal vê uma jovem mexer numa mão cortada, caída na estrada, diante o olhar dos transeuntes. Na última cena vemos o casal enterrado na areia até ao peito.

(16 min, 1929, 35mm, Livre)

Direção, Produção e Montagem: Luis Buñuel
Roteiro: Salvador Dalí, Luis Buñuel
Fotografia: Albert Duverger
Elenco: Simone Mareuil, Pierre Batcheff, Luis Buñuel, Salvador Dalí, Robert Hommet, Marval, Fano Messan, Jaume Miravitles

 

Tusalava

No início do cinema experimental inglês esse filme teve sua estreia na London Film Society, em 1929 . O filme tenta imaginar o começo da vida na terra, como criaturas unicelulares evoluindo para criaturas com identidades mais distintas. A trilha original de Jack Ellit feita para piano percussivo infelizmente se perdeu e o filme atualmente é exibido mudo.

(11min, 1929, 16mm, Livre)

Direção e design de animação: Len Lye
Música: Jack Ellit

 

Les Mysteries of the Chateau de Dé

Proposto e financiado pelo Visconde de Noailles, dono do castelo do título, o filme é antes de tudo uma brincadeira. Para construir sua anedota, Ray explora o peculiar castelo, onde os convidados do Visconde participam de jogos inusitados, nadam numa “piscinema”, se deparam com dados gigantes no jardim, que aludem aos procedimentos do acaso.

(27 min, 1929, 35mm, Livre)

Direção e roteiro: Man Ray
Produção: Le Vicomte de Noailles
Fotografia: Jacques-André Boiffard, Man Ray
Música: Erik Satie
Elenco: Georges Auric, Le Compte de Beaumont, Le Vicomte de Noailles, Marie-Laure de Noailles

 

Hyas et Stenoriques

O filme mostra duas espécies de crustáceos marinhos, os Hyas e os Stenorhynchus. Vemos eles se moverem, comerem e brigarem, ao som de Chopin e de um locutor, que parece narrar um ballet.

(10 min,1929, 16mm, Livre)

Direção: Jean Painlevé
Fotografia: André Raymond
Música: Maurice Jaubert
Produtora: Gaumont-Franco Film-Aubert

 

Images D’Ostende

Nesse documentário o diretor apresenta um tributo a um dos mais conhecidos lugares da Bélgica: a praia de Ostende. Colecionando imagens ao longo de oito momentos diferentes, Storck convida o expectador a sentir a praia, o porto, a onda e as dunas, transmitindo mais do que simplesmente imagens reais, elevando-as a uma dimensão do surreal.

(15 min, 1929, 16mm, Livre)

Direção e fotografia: Henri Storck

 

Trains de Plaisir

No díptico fundador que Henri Storck dedica a sua cidade natal, Images D’Ostende foi um mergulho no mar, ao passo queo filme Trains de Plaisir se concentra no elemento humano. A praia e os banhistas, atitudes e gestos.

(7 min, 1930, 16mm, Livre)

Direção e fotografia: Henri Storck

 

Caprelles et Pantopodes

Curta-metragem sobre a Caprelle, uma espécie de inseto desajeitado, mas que quando é observado de bem perto, revela-se um verdadeiro acrobata, movendo-se entre as algas com elegância.

(9 min, 1930, 16mm, Livre)

Direção: Jean Painlevé e Eli Lotar
Fotografia: Eli Lotar
Música: Maurice Jaubert e Roland Manuel

 

Bernard – L’Ermite

Um dos primeiros filmes que Jean Painlevé realiza sobre o comportamento animal, Bernard L’Ermite conta a história de Bernard , um carangueijo-ermitão. No filme vemos a longa e difícil luta do animal por sua sobrevivência.

(14 min, 1930, 16mm, Livre)

Direção: Jean Painlevé
Fotografia: André Raymond
Música: Maurice Jaubert

 

L’âge D’or (A Idade de Ouro)

As tentativas de um casal em consumar seu relacionamento romântico são continuamente frustradas pelos valores burgueses e costume da família, da igreja e da sociedade. Na busca da satisfação sexual, o homem imagina um anúncio que se torna real de uma mulher se esfregando, depois, um garçom em uma festa esfrega uma garrafa de vinho de uma forma semelhante a mulher e ela sublima sua paixão sexual fazendo sexo oral com o dedo do pé de uma estátua religiosa, antes de finalmente dar um beijo de língua em seu pai. A tara do homem em praticar tabus sociais, como, fazer amor na lama durante uma cerimônia religiosa e bater em sua mãe parece excitar a mulher. Ele desvia do beijo entre pai e filha e vai para o quarto, onde ele lança uma árvore em chamas, um bispo, um arado, a equipe do bispo, uma estátua de girafa e um punhado de penas de travesseiro para fora da janela.

(63 min, 1930, 35mm, Livre)

Direção e Montagem: Luis Buñuel
Roteiro: Salvador Dalí, Luis Buñuel
Produção: Le Vicomte de Noailles
Fotografia: Albert Duverger
Elenco: Gaston Modot, Lya Lys, Caridad de Laberdesque, Max Ernst, Josep Liorens Artigas, Lionel Salem, Germaine Noizet, Duchange, Bonaventura Ibáñez

 

A Nous la Liberté (A Nós a Liberdade)

Famosa comédia satírica de esquerda sobre dois ex-condenados, um dos quais escapou da prisão para, em seguida, tornar-se dono da fábrica, onde supervisiona uma operação altamente mecanizada, na qual os trabalhadores são reduzidos a meros autômatos. Com medo de que seu passado seja exposto, a princípio pelo amigo e mais tarde por outro gangster, o proprietário opta por dar a sua fábrica para os trabalhadores e foge com o companheiro rumo à liberdade. A empresa que produziu “A Nous la Liberté” se envolveu em uma ação judicial contra Charles Chaplin, alegando que ele o plagiou em “Tempos Modernos”.

(80 min, 1931, DVD, Livre)

Direção e roteiro: René Clair
Produção: Frank Clifford, Alexandre Kamenka, Roger le Bom
Fotografia: Georges Périnal
Montagem: René Le Hénaff, René Clair
Música: Georges Auric
Elenco: Henri Marchand, Raymond Cordy, Rolla France, Paul Ollivier, Jacques Shelly, André Michaud, Germaine Aussey, Léon Lorin, William Burke, Vincent Hyspa, Albert Broquin, Robert Charlet, Léon Courtois, Alexander D’Arcy, Marguerite de Morlaye, Ritou Lancyle, Maximilienne, Eugène Stuber

 

Limite

A tensa história de duas mulheres e um homem à deriva no oceano. O filme começa no barco onde os náufragos estão abatidos, deixaram de remar e parecem conformados com seu destino. Nesse mar de monotonia todos contam suas histórias como única forma de sobreviver.

(120 min, 1931, DVD, Livre)

Direção, roteiro, montagem e produção: Mario Peixoto
Fotografia: Edgar Brasil
Música: Georges Auric
Elenco: Brutus Pedreira, Carmem Santos, Iolanda Bernardes, Olga Breno, Raul Schnoor, Tatiana Rey

 

Une Idylle a la Plage

O argumento é simples. O Mar do Norte. A chuva cai. Dois jovens se refugiam em um abrigo e sorriem. O sol da manhã, areia, água e o mar vão servir aos seus jogos de amor. Existem formas mágicas: Mãos que jogam na areia, cabelo algas, concha da orelha. O mar é uma paisagem e uma metáfora que dita o próprio prazer e serve como um meio para a sensualidade. Entende-se porque os surrealistas reconheceram este filme. Poesia e desejo, direito e transgressão contra um fundo de antimilitarismo.

(35 min, 1931, 16mm, Livre)

Direção e Montagem: Henri Storck
Roteiro: Jean Levens, Pierre Vandervoot, León Lévy
Fotografia: Gérard Perrin
Música: Manuel Rosenthal
Elenco: Gwen Norman, Raymond Rouleau

 

Le Histoire du Soldat Inconnu

Montado a partir de imagens extraídas de um jornal de atualidades, o filme é a obra de um vidente, que vê como enquanto os políticos esbanjam discursos pacifistas em conferências de paz, uma guerra se prepara igual a anterior.

(10 min, 1931, 16mm, Livre)

Direção e montagem: Henri Storck

 

Sur les Bords de la Caméra

Sur les Bords de la Caméra é um filme feito a partir de imagens de atualidades do ano de 1928. Essas imagens foram recortadas, invertidas, coletadas, pra subverter umas as outras, reorganizando o mundo. A loucura, o cômico e a violência são os estranhos encontros onde todos os espectadores de um estádio se tornam voyeurs de jovens ginastas de uma realidade bucólica. Esse requintado filme feito com imagem de arquivo é divertido e ao mesmo tempo subversivo.

(10 min, 1932, 16mm, Livre)

Direção e montagem: Henri Storck.

 

Kaleidoscope

Para Kaleidoscope, que foi patrocinada pela Churchman Cigarretes, Lye animou formas de cigarro em estêncil e realizou alguns experimentos cortando fora da película algumas dessas formas de deixar que a luz do projetor atingisse diretamente a tela. A música é de Don Barreto e sua Orquestra Cubana.

(4 min, 1935, 16mm, Livre)

Direção e design de animação: Len Lye
Música: Don Barreto

 

Komposition in Blau

Com Komposition in Blau, Fischinger cria uma animação a partir de pequenos objetos geométricos reais. Trata-se de um filme abstrato onde cada movimento é exatamente sincronizado com a música. Em um ambiente envolvido pelo azul vemos uma multiplicidade de cubos vermelhos se movimentar de várias formas. Ao longo do filme esses cubos se transformam em formas circulares e cilíndricas.

(4 min, 1935, 16mm, Livre)

Direção e design de animação: Oskar Fischinger.

 

Rose Hobart

Imagens selecionadas do filme B “East of Borneo” e de outras produções são organizadas e editadas de forma a destacar a atriz Rose Hobart. Primeiro filme de colagem norte-americano, causou a fúria de Salvador Dali que, com inveja, disse já o ter visto em sonho.

(20 min, 1936, DVD, Livre)

Direção e montagem: Joseph Cornell
Elenco: Charles Bickford, Rose Hobart, Noble Johnson, Georges Renavent, Lupita Tovar

 

La Quatrième Dimension

Imagens matemáticas da quarta dimensão. Painlevé mostra como criaturas bi-dimensionais percebem seres tridimensionais, e vice-versa, e também como eles iriam ver as coisas em quatro dimensões, como tudo é relativo.

(10 min, 1937, 16mm, Livre)

Direção: Jean Painlevé

 

Colour Flight

Patrocinado pela Imperial Airways, o filme apresenta uma exuberância de cor feita com a técnica da pintura em película. Na trilha sonora do filme consta “Honolulu Blues” de Red Nichols e a rumba do Lecuona Cuban Boys. A revista Time teceu grandes elogios ao filme, descrevendo Lye como a alternativa inglesa para Walt Disney.

(4 min, 1938, 16mm, Livre)

Direção e design de animação: Len Lye

 

By Night with Torch and Spear

Mais enigmático e elusivo filme de Joseph Cornell, By Night with Torch and Spear é sua obra-prima. O artista usa filmes silenciosos educacionais, etnográficos e do trabalho fabril e lhes confere novos significados: inverte as imagens, muda a velocidade, tinge de cores, insere letreiros aparentemente inexplicáveis. O filme foi encontrado após a morte de Cornell, nos rolos de 16mm de sua coleção particular que doou para o Anthology Film Archive.

(8 min, 1942, DVD, Livre)

Direção e montagem: Joseph Cornell

 

Meshes of Afternoon (Tramas do Entardecer)

Uma flor solitária em uma estrada longa, uma chave que cai, uma porta destrancada, uma faca em um pedaço de pão, um telefone fora do gancho: imagens dissonantes. Uma mulher se vê chegando em casa. Ela dorme e, talvez, sonha. Ela vê uma figura encapuzada descer a estrada. A faca está na casa, logo depois na sua cama. A figura encapuzada coloca a flor em sua cama, e em seguida desaparece. A mulher vê tudo acontecer de novo. Lá embaixo, ela dorme, desta vez em uma cadeira. Ela acorda para ver um homem subindo as escadas com a flor. Ele a coloca na cama. Um espelho quebra, o homem entra na casa novamente. Será que ele vai encontrá-la?

(13 min,1943, 16mm, Livre)

Direção: Maya Deren e Alexander Hammid
Roteiro e montagem: Maya Deren
Fotografia: Alexander Hammid
Música: Teiji Ito (após 1952)
Elenco: Maya Deren, Alexander Hammid

 

At Land

Uma mulher encontra-se na areia da praia, deixada lá pelas ondas e marés. Ela escala raízes de árvores, apenas para descobrir a si mesma subindo horizontalmente uma mesa de jantar em que convidados burgueses conversam, bebem e fumam, alheios a ela. No topo da mesa, um homem está jogando xadrez, mas abandona a partida. Fascinada, ela olha para o tabuleiro, as peças se movendo sem ajuda. A mulher persegue um peão que cai no chão, depois de uma cachoeira: ela o perde.

(14 min, 1944, DVD, Livre)

Direção e roteiro: Maya Deren
Fotografia: Alexander Hammid e Hella Heyman
Elenco: John Cage, Maya Deren, Alexander Hammid, Hella Heyman, Parker Tyler

 

Le Vampire (O Vampiro)

Le Vampire é o filme mais famoso do diretor Jean Painlevé. O filme conta a história do morcego vampiro, espécie de morcego que vive no Paraguai, Argentina e Brasil e que suga, como um vampiro, o sangue de outros animais, como porcos. Painlevé compara o animal ao personagem de Nosferatu, de Murnau, utilizando extratos do filme em seu curta-metragem.

(9 min, 1945, 16mm, Livre)

Direção: Jean Painlevé
Música: Duke Ellington
Elenco : Max Schreck

 

Study in Choreography for Camera

Maya Deren filma o bailarino Talley Beatty enquanto ele dança em uma floresta, em uma sala de estar e, finalmente, em um pátio repleto de esculturas. Deren faz a câmera dançar, usando cortes, variando a velocidade do filme e movimentos de imagem ao contrário para criar uma balé que só existe no cinema.

(3 min, 1945, 16mm, Livre)

Direção: Maya Deren
Elenco: Talley Beatty

 

The Potted Psalm

Uma mistura sem som de fragmentos de histórias e de imagens. Inicialmente, as imagens da morte, um homem com uma guitarra, uma soirée. Algumas imagens são surreais: uma mulher mais velha come uma folha; um homem sem cabeça derrama um coquetel em seu próprio corpo. A mulher de branco caminha em direção a um prédio, isolado e em ruínas, onde um homem espera. Em seguida, mais imagens, algumas refletidas, outras distorcidas, em close-ups: os pés das mulheres em saltos altos, um caracol, uma faca, uma máscara. Mulheres dançam provocativamente. O rosto de uma mulher ergue-se parcialmente fora da água. Agora vestindo uma jaqueta escura, a mulher de branco corre por sua vida. É a morte, ou são apenas imagens?

(25 min, 1946, 16mm, Livre)

Direção, roteiro e produção: James Broughton, Sidney Peterson
Música: Francean Campbell
Elenco: Beatrix Perry, Harry Honig, Joyce M. Geary, Donald Nelson, Ann Whittington, Bernice Van Gelder, Janice Dieckman, Victoria Vinugo

 

Ritual in Transfigured Time

Um evento social coreografado como uma dança, iluminado por conceitos tirados da mitologia grega. Um dos trabalhos mais intrigantes da diretora Maya Deren.

(14 min, 1946, 16mm, Livre)

Direção: Maya Deren
Fotografia: Hella Heyman
Coreografia (colaboração): Frank Westbrook
Elenco: Rita Christiani, Maya Deren, Anaïs Nin, Frank Westbrook, Gore Vidal

 

Motion Painting 1

Motion Painting No. 1 é um curta-metragem de animação em que o artista Oskar Fischinger coloca imagens em movimento com o Concerto de Brandenbutgo no. 3 BWV 1048. É um filme feito com uma técnica de pintura (tinta óleo sobre acrílico). Fischinger filmou cada pincelada ao longo de nove meses.

(11 min, 1947, 16mm, Livre)

Direção e design de animação: Oskar Fischinger.
Música: Johann Sebastian Bach

 

The Cage

Um filme sem som começa no estúdio: um artista se senta, uma modelo nua fica de pé; uma página se queima, recortes de papel aparecem, as imagens são distorcidas. O artista tira o olho, que cai da sua mão, vendo imagens girar enquanto rola. Um homem (que não é o artista) cai, objetos no estúdio despencam sobre ele. A mulher recebe ajuda de um homem de jaleco; ele e o homem no chão lutam sobre uma espingarda. Lá fora, na cidade, as pessoas e os carros se movem para trás. Na rua, aqueles do estúdio perseguem uma mulher que roubou alho-poró. Na paisagem urbana que anda para trás, eles caminham para frente. Eles correm em direção ao parque de diversões à beira-mar. O artista os segue, com a cabeça em uma gaiola de pássaro. Ele termina com a mulher que foi buscar ajuda; ou não?

(25 min, 1947, 16mm, Livre)

Direção: Sidney Peterson

 

Meditation on Violence

Um jovem Oriental com um lenço na cabeça e torso pratica artes marciais dentro de casa, na frente de uma série de paredes sem adornos, ora na luz, ora nas sombras. Ele se exercita, então, fora de casa, com uma espada, em uma área cercada por um muro baixo de pedra e com vista para um rio, antes que retorne para o local da primeira seqüência.

(10 min, 1948, 16mm, Livre)

Direção e fotografia: Maya Deren
Roteiro: Chao Li Chi e Maya Deren
Música: Teiji Ito
Elenco: Chao Li Chi

 

The Lead Shoes

Como um transe onírico, The Lead Shoes mostra os atos inconscientes de uma mente perturbada através de lentes distorcidas e de outras técnicas visuais abstratas. “A narrativa sucumbe aos dispositivos cômicos da falta de lógica e da inconseqüência”, segundo Peterson.

(18 min, 1949, 16mm, Livre)

Direção: Sidney Peterson

 

Un Chant D’amour

A trama deste filme se passa numa prisão francesa, onde um guarda sente prazer ao vigiar as tentativas dos prisioneiros de amarem-se entre si, que vão desde atos masturbatórios recorrentes e observados até a troca de flores em celas contíguas.

(26 min, 1950, 35mm, 18 anos)

Direção, roteiro e montagem: Jean Genet
Fotografia: Jacques Natteau
Música: Gavin Bryars
Produção: Nikos Papatakis
Produtora: Film Sonores Tobis
Elenco: André Reybaz, Java, Coco le Martiniquais, Lucien Sénémaud

 

Divine Horsemen: The Living Gods of Haiti

Documentário sobre a dança e a possessão no vodu haitiano, baseado no romance homônimo da diretora. Maya Deren iniciou as filmagens em 1951, deixando o filme inacabado. Teiji Ito, seu último marido, e Cherel Ito o completaram, em 1985.

(55 min, 1951 – 1985, 16mm, Livre)

Direção e roteiro: Maya Deren, Cherel Ito e Teiji Ito
Fotografia: Maya Deren
Montagem: Cherel Ito
Música Teiji Ito
Elenco: John Genke (narrador), Joan Pape (narradora)

 

Traité de Bave et D’eternité

Neste filme experimental, Isidore Isou, o líder do movimento Letrista, ataca os filmes convencionais e oferece uma forma inovadora de fazer cinema: através de arranhões na película, da falta de sincronia entre o som e a imagem, da desconstrução do roteiro. Ele tem como objetivo renovar a sétima arte da mesma maneira que tentou revolucionar o mundo literário.

(123 min, 1951, 35mm, Livre)

Direção e roteiro: Isidore Isou
Produção: Marc’o, Leon Vickman
Fotografia: Nat Saufer
Montagem: Suzanne Caubon
Música: Daniel Guarrigue
Elenco: Isidore Isou, Jean-Louis Barrault, Blanchette Brunoy, Blaise Cendrars, Jean Cocteau, Danièle Delorme, Edouard Dermithe, Daniel Gélin, André Maurois, Armand Salacrou, Rodica Valeanu, Albert J. LeGros, Bernard Blin, Serge, Colette Marchand, Gil J. Wolman, Marc’o, Marcel Achard, Maurice, Jean-Louis Brau, François Dufrêne, Maurice Lemaître

 

The Pleasure Garden

Pessoas passam o tempo em um jardim cheio de estátuas, enquanto um cavalheiro puritano e fúnebre espalha avisos que proíbem todas as atividades de lazer.

(38 min, 1953, 16mm, Livre)

Direção e roteiro: James Broughton
Fotografia: Walter Lassaly
Música: Stanley Bate
Elenco: Jean Anderson, Lindsay Anderson, Maxine Audley, Jill Bennett, Gontron Gouldon, Victoria Grayson, Derek Hart, John Heawood, Daphne Hunter, Girl in grass, Hattie Jacques, John Le Mesurier, Hilary Mackendrick, Diana Maddox, Mary Lee Settle, Kermit Sheets, Gladys Spencer

 

Aviary

Uma jovem mulher toca lentamente os traços de um monumento de pedra no Union Square Park, em Manhattan – uma borboleta, o focinho de um leão –, ao mesmo tempo em que se maravilha com o vôo dos pássaros.

(14 min, 1955, DVD, Livre)

Direção e montagem: Joseph Cornell
Fotografia: Rudy Burckhardt
Elenco: Suzanne Miller

 

Centuries of June

Cornell dirige e Brakhage filma os últimos dias de uma velha mansão no Queens, em Nova York. O efêmero se apresenta nos movimentos entre os galhos e os troncos de árvores, enquanto as lentes se fixam nas crianças que caminham da escola de volta para suas casas.

(11 min, 1955, DVD, Livre)

Direção e montagem: Joseph Cornell
Fotografia: Stan Brakhage

 

Gnir Rednow

Joseph Cornell monta ao contrário e de cabeça para baixo as imagens que Stan Brakhage, a seu pedido filmou no metrô da Terceira Avenida, que seria em breve desmantelado.

(6 min, 1955 – 1970, DVD, Livre)

Direção e montagem: Joseph Cornell
Fotografia: Stan Brakhage

 

Angel

Um anjo se senta próximo a um lago no outono.

(3 min, 1957, DVD, Livre)

Direção e montagem: Joseph Cornell

 

Nymphlight

Uma menina, de cerca de doze anos, corre em volta de um chafariz em Bryant Park, no vestido frágil e branco de sua mãe.

(8 min, 1957, DVD, Livre)

Direção e montagem: Joseph Cornell
Fotografia: Rudy Burckhardt

 

A Legend for Fountains

Cornell segue uma jovem mulher enquanto ela vaga pelas ruas da Little Italy de Nova York.

(17 min, 1957-1965, DVD, Livre)

Direção e montagem : Joseph Cornell
Fotografia: Rudy Burckhardt
Elenco: Suzanne Miller

 

The Very Eye of Night

Bailarinos, mostrados em negativo fotográfico, realizam uma série de movimentos de balé: solos, pas-de-deux, agrupamentos maiores. Os bailarinos deslizam e giram imperturbáveis pela gravidade contra um fundo de estrelas que muda lentamente. Seus movimentos são acompanhados por música feita para um pequeno conjunto de sopro e percussão.

(15 min, 1958, 16mm, Livre)

Direção, roteiro, fotografia e montagem: Maya Deren
Música: Teiji Ito
Elenco: Don Freisinger, Richard Sandifer, Patricia Ferrier, Bud Bready, Genaro Gomez, Barbara Levin, Richard Englund, Rosemary Williams, Phillip Salem

 

The Bed

Imagem central do filme é hilariantemente absurda – uma cama vazia desce morro abaixo como se fosse um carro. Ela se instala em um prado e se torna o lugar onde acontecem todos os encontros da floresta. Personagens – em sua maioria nus – aparecem de repente em seus lençóis. Broughton surge como uma espécie de Pã satírico, despido em uma árvore, tocando sua flauta para uma série de foliões.

(20 min, 1968, 16mm, 18 anos)

Direção e roteiro: James Broughton
Fotografia: Bill Desloge
Música: Warner Jepson
Elenco: Florence Allen, Gavin Arthur, Imogen Cunningham, Kermit Sheets, Roger Somers, Seth Stiles, Alan Watts

 

Dreamwood

Dreamwood narra a busca onírica de um argonauta moderno em uma ilha misteriosa, localizada em algum lugar na fronteira do inconsciente. Aparentemente freudiano, Dreamwood é uma viagem atraente através de imaginário sexual, fecal e esotérico.

(45 min, 1972, 16mm, 18 anos)

Direção e roteiro: James Broughton
Produção: Robert Greensfelder
Fotografia: Fred Padula, John Schofill
Montagem: Lela Smith
Música: Morton Subotnick
Elenco: Henry Taylor, Margo St. James, Diane Nelson, Roger Somers, Monica Taylor, Claxton Taylor

 

Testament

Autobiografia do poeta e cineasta James Broughton.

(65 min, 1974, 35mm, 14 anos)

Direção e roteiro: James Broughton
Elenco: James Broughton

 

Salomé

Um dos filmes mais relevantes do cinema experimental francês, filmado pelo cineasta mexicano Téo Hernandez. Uma interpretação pessoal de Salomé de Oscar Wilde a partir de três elementos básicos : a luz, a cor e a velocidade de projecção. O filme corresponde à primeira fase da obra essencial de Hérnandez, marcada pelas suas experiências pessoais, as suas viagens, contactos e pelas tentativas em concretizar o seu ideal de um cinema do corpo e da sensação.

(65 min, 1976, 35mm, 18 anos)

Direção: Teo Hernandez

 

L’Ange

Evocando comparações variadas com o Eraserhead de David Lynch, 2001 Um Odisseia no Espaço de Stanley Kubrick, os filmes de Alexander Sokurov e Hieronymous Bosch, este filme impressionante de Patrick Bokanowski gera um labirinto Kafkiano, mundos barrocos, personagens macabros, todos ligados por uma escada em espiral interminavel. Cheio de texturas e cores ricas e totalmente variadas, de uma meticulosidade extrema, aliado à brilhante trilha sonora da sua esposa Michèle Bokanowski.

(70 min, 1983, 35mm, 14 anos)

Direção, roteiro, fotografia e montagem: Patrick Bokanowski
Música: Michèle Bokanowski
Produtora: Kira B.M. Films
Elenco: Maurice Baquet, Jean-Mari Bon, Martine Couture, Jacques Faure, Mario Gonzales, René Patrignani, Rita Renoir, Alain Salomon, Dominique Serrand, Nicolas Serreau

 

Devotions

Homens em pares, em sua maioria nus, executam diversos atos sensuais juntos.

(22 min, 1983, 16mm, 18 anos)

Direção: James Broughton, Joel Singer
Roteiro: James Broughton
Música: Lou Harrison
Elenco: James Broughton, William Colvig, Lou Harrison, Joel Singer

Gostou do evento?

CCBB RJcomo chegar

Centro Cultural Banco do Brasil Rio de Janeiro

Rua Primeiro de Março, 66 - Centro CEP: 20010-000 / Rio de Janeiro (RJ) (21) 3808-2020

ccbbrio@bb.com.brFuncionamento: de quarta a segunda, das 9h às 21h.

Como chegar