Próximo
Anterior

Cinema

Um Outro, Eu Mesmo – Variações sobre Gênero no Cinema

20.01 a 13.02
cp

Saiba mais sobre o filme

A mostra UM OUTRO, EU MESMO – VARIAÇÕES SOBRE GÊNERO NO CINEMA nasceu da percepção não só dos avanços históricos no tema, mas também das ameaças aos direitos conquistados pelas mais diversas minorias. O cinema nunca foi insensível ao debate; ele está alerta para preconceitos, quebra tabus, sugere respostas, faz novos questionamentos. Com 25 filmes de 12 países, produzidos entre 1959 e 2016, UM OUTRO, EU MESMO percorre seis décadas. Mais que um panorama do tema, a programação canaliza o potencial de conscientização dessas obras, situando-as como faróis em um mundo em transformação. Inspirados e inquietos, esses longas e curtas são um convite à reflexão sobre o que vivemos até aqui e o que se desenha para o futuro.

Curadoria do cineasta Gustavo Galvão.

 

Sinopses

 

BILLY ELLIOT

(idem, Grã-Bretanha, 2000, 110′)

Direção: Stephen Daldry

Com Jamie Bell, Julie Walters e Gary Lewis

Incapaz de se adaptar às aulas de boxe, onde havia sido inscrito pelo pai viúvo, um rapaz de 11 anos descobre o balé. Isso acontece em 1984-85, numa cidade marcada pela dura greve dos trabalhadores nas minas de carvão. Num contexto de virilidade acentuada, o talento de Billy para a dança triunfa e apaga os traços de intolerância e de determinismo sobre o que é masculino ou feminino.

 

CINCO GRAÇAS

(Mustang, Turquia, 2015, 97′)

Direção: Deniz Gamze Ergüven

Com Günes Sensoy, Doga Zeynep Doguslu e Tugba Sunguroglu

A vida de cinco garotas muda quando elas são vistas brincando com garotos na praia. A cena escandaliza a vila onde moram, a 1.000km de Istambul. A avó e o tio trancam as cinco em casa, fazem relatório de virgindade e arranjam casamentos. Dirigido por uma mulher e coescrito pela francesa Alice Winocour, o filme enfoca a opressão do modelo patriarcal num país no meio do caminho entre Ocidente e Oriente.

 

DOCE AMIANTO

(idem, Brasil, 2013, 70′)

Direção: Guto Parente e Uirá dos Reis

Com Deynne Augusto e Uirá dos Reis

Inventivo e imbuído da estética camp (que apela à afetação para ridicularizar o que é dominante, segundo Susan Sontag), o filme retrata o mundo de fantasia de Amianto. Rejeitada pelo mundo, ela acha forças na sua Fada Madrinha ao buscar a felicidade.

 

ELVIS E MADONA

(idem, Brasil, 2010, 105′)

Direção: Marcelo Laffitte

Com Simone Spoladore e Igor Cotrim

A incrível história de amor entre uma fotógrafa lésbica e uma cabelereira travesti. Tendo Copacabana como cenário, recicla os clichês das comédias românticas dentro de uma ordem sexual bem contemporânea.

 

FORÇA MAIOR

(Turist, Suécia, 2014, 120′)

Direção: Ruben Östlund

Com Johannes Kuhnke e Lisa Loven Kongsli

Da Suécia, país pioneiro na luta contra as barreiras de gênero, veio um filme peculiar sobre o assunto, que revela os estigmas que agem na conjuntura familiar. A trama segue uma família sueca de férias nos Alpes. O pai foge em vez de “proteger” mulher e filhos de uma avalanche e o caos se instala: ele falha em restaurar o papel de patriarca; ela se consome no papel de vítima.

 

GAROTAS

(Bande de Filles, França, 2014, 113′)

Direção: Céline Sciamma

Com Karidja Touré, Assa Sylla e Mariétou Touré

Sciamma ganhou renome ao contestar os estereótipos da sexualidade na infância e na adolescência. Aqui, a ação foca numa adolescente da periferia de Paris. Oprimida e sem perspectivas, ela só ganha confiança em si quando é aceita numa gangue de meninas. “O gênero é como provar vários disfarces, é uma performance”, acredita a jovem realizadora.

 

HEDWIG – ROCK, AMOR E TRAIÇÃO

(Hedwig and the Angry Inch, EUA, 2001, 95′)

Direção: John Cameron Mitchell

Com John Cameron Mitchell, Stephen Trask e Michael Pitt

Uma das mais espalhafatosas declarações anticaretice do cinema norte-americano neste século, o filme narra as aventuras de uma roqueira trans que emigrou da Berlim Oriental, foi vítima de uma malsucedida cirurgia de redesignação genital e não tolera o êxito de seu ex-amante. O diretor satiriza as normas sexuais com a mesma desenvoltura com a qual interpreta a protagonista.

 

INDIA SONG

(idem, França, 1975, 120′)

Direção: Marguerite Duras

Com Delphine Seyrig, Michael Lonsdale e Mathieu Carrière

Para aliviar o tédio, a mulher do vice-cônsul francês na Índia mantém casos diversos, com a conivência do marido. Duras radicaliza no conteúdo (ao evitar estereótipos de gênero) e na forma (com sons e imagens discrepantes).

 

JEANNE DIELMAN

(Jeanne Dielman, 23 Quai du Commerce, 1080 Bruxelles, Bélgica, 1975, 201′)

Direção: Chantal Akerman

Com Delphine Seyrig e Jacques Doniol-Valcroze

A rotina de uma viúva que cuida do filho e faz programa para reforçar a rendaexpõe três facetas impostas à mulher: mãe, dona de casa, prostituta. Se a rotina é revelada em planos minuciosos, o sexo só se vê no final “redentor”, que endossa a autonomia dessa personagem sem igual no cinema. Com a atriz de India Song.

 

LAURENCE ANYWAYS

(Idem, Canadá, 2012, 159′)

Direção: Xavier Dolan

Com Melvil Poupaud e Suzanne Clément

Laurence tem uma relação apaixonada com a namorada, mas se sente prisioneiro no próprio corpo. Até decidir mudar. Engajado como nunca, Dolan detalha os desafios de um homem para ser reconhecido como mulher. E em meio a olhares condenatórios, Laurence segue firme em sua luta.

 

MADAME SATÃ

(idem, Brasil, 2002, 105′)

Direção: Karim Aïnouz

Com Lázaro Ramos, Marcelia Cartaxo e Flávio Bauraqui

Inspirado na vida de João Francisco dos Santos, ícone da boemia carioca do início do século 20. Homossexual e transformista, usou a sexualidade e o corpo como formas de expressão. Quando um policial lista motivos pelos quais ele é nocivo à sociedade, um trecho traduz o incômodo que sua imagem causava: “Usa sobrancelhas raspadas e adota atitudes femininas, alterando até a própria voz”.

 

MENINOS NÃO CHORAM

(Boys Don’t Cry, EUA, 1999, 118′)

Direção: Kimberly Peirce

Com Hilary Swank, Chloë Sevigny e Peter Sarsgaard

Brandon Teena é um forasteiro. Todos gostam de Brandon na pequena cidade onde ele se instala e sua namorada nunca conheceu um homem tão delicado. Quando os amigos descobrem que ele nasceu mulher e se chama Teena Brandon, sua vida se torna um inferno. Baseado numa história real, é uma denúncia das tensões e do ódio que permeiam as relações numa sociedade (ainda) marcadamente sexista.

 

MINHA VIDA EM COR-DE-ROSA

(Ma Vie en Rose, Bélgica, 1997, 88′)

Direção: Alain Berliner

Com Georges Du Fresne, Michèle Laroque e Jean-Philippe Écoffrey

Ludovic, de apenas sete anos, não se considera um menino. Certo de que é menina, age como tal e deixa todos ao redor desconcertados. “É um filme sobre identidade, e não sobre o homossexualismo”, já disse o diretor. Ele acertou ao atrelar a trama ao ponto de vista terno e tocante do garoto, que deixa claro o contraste com o mundo dos adultos, sempre ávidos a condenar o que foge do dito “normal”.

 

ORLANDO – A MULHER IMORTAL

(Orlando, Grã-Bretanha, 1992, 94′)

Direção: Sally Potter

Com Tilda Swinton, Billy Zane e Quentin Crisp

“Sua forma combinava (…) a força de um homem e a graça de uma mulher”. Virginia Woolf descreveu assim o herói imortal de Orlando, romance de 1928. Herói que, em certo ponto de sua jornada de mais de três séculos, vira heroína. A mudança de sexo impulsionou a sátira de Woolf, uma crítica às convenções de gênero – adaptada com personalidade por Potter e consagrada na figura andrógina de Tilda Swinton.

 

OSAMA

(idem, Afeganistão, 2003, 83′)

Direção: Siddiq Barmak

Com Marina Golbahari e Zubaida Sahar

Com todos os homens da família mortos e com a avó e a mãe impedidas de trabalhar pelo regime talibã, uma menina precisa se disfarçar de menino para sustentar a casa. Ao manter viva sua feminilidade, mesmo em segredo, ela reafirma sua identidade.

 

QUANTO MAIS QUENTE MELHOR

(Some Like it Hot, EUA, 1959, 121′)

Direção: Billy Wilder

Com Marilyn Monroe, Tony Curtis e Jack Lemmon

Wilder encarou uma série de tabus com um só filme, que subverte os paradigmas de gênero e invoca conotações sobre sexualidade insólitas para a época. Com a saga de dois músicos que fogem da máfia vestindo-se de mulher e infiltrando-se numa banda feminina, essa comédia ajudou a derrubar o Código Hays, que regia a moral em Hollywood desde 1930.

 

TIRESIA

(idem, França, 2003, 115′)

Direção: Bertrand Bonello

Com Clara Choveaux, Laurent Lucas e Thiago Teles

Tiresia é uma travesti brasileira que mora num subúrbio de Paris. Sequestrada e mantida em cativeiro por um voyeur, deixa de tomar suas doses de hormônio e volta a ter uma aparência masculinizada. Parábola sobre a cópia como aprimoramento do original, bebe no mito grego para revelar o gênero como imagem imprecisa do todo.

 

TOMBOY

(idem, França, 2011, 82′)

Direção: Céline Sciamma

Com Zoé Héran e Jeanne Disson

Quando uma família se instala num bairro de classe média, a filha mais velha, Laure, 10 anos, apresenta-se na vizinhança como garoto. A obstinação dela em ser reconhecida como menino gera, no espectador, suspense e admiração na mesma medida. O segundo longa de Sciamma passou a ser usado nas aulas de educação sexual na França em 2013, para a ira de grupos conservadores.

 

TUDO SOBRE MINHA MÃE

(Todo Sobre Mi Madre, Espanha, 1999, 101′)

Direção: Pedro Almodóvar

Com Cecilia Roth, Marisa Paredes e Penélope Cruz

Almodóvar sempre teve fascínio pelo feminino, cujo ápice foi esta obra pulsante de sentimentos. O único personagem “masculino” relevante é o filho de Manuela, uma mãe solteira. A morte dele a aproxima de uma atriz, de uma travesti, de uma freira e de Lola, o pai transexual do jovem morto.

 

XXY

(idem, Argentina, 2007, 86′)

Direção: Lucía Puenzo

Com Inés Efron, Ricardo Darín e Valeria Bertuccelli

Alex é intersexual. A aparência de menina é reforçada pelos remédios que toma para suprimir as feições masculinas. Quando contraria as expectativas da mãe e para com a medicação, Alex opta por aceitar quem é – ou quem acredita que deve ser. O filme expõe diferentes nuances de uma realidade em que a “normalização” é sinônimo de “castração”.

 

====================================================================

 

Programa de curtas

(por ordem de exibição)

 

OS SAPATOS DE ARISTEU

(Brasil, 2008, 17′)

Direção: René Guerra

O corpo de uma travesti morta é preparado por outras travestis para o velório, mas a família decide enterrá-la como homem.

 

TRANS

(Grã-Bretanha, 2013, 7’20”)

Direção: Mark Chapman

Retrato em movimento de Kali. Em off, ela divaga sobre temas como transformação, identidade e a dor de sua metamorfose.

 

VESTIDO DE LAERTE

(Brasil, 2012, 13′)

Direção: Claudia Priscilla e Pedro Marques

Laerte percorre um longo caminho por São Paulo em busca de um certificado.

 

SPERMWHORE

(Suécia, 2016, 12′)

Direção: Anna Linder

Num mundo onde os padrões ditam quem pode ser mãe e como, há outros modos de vivenciar a gravidez, independentemente do gênero.

 

KINDIL EL-BAHIR

(Argélia, 2015, 40′)

Direção: Damien Ounouri

Uma mulher é hostilizada e linchada por um grupo de homens ao nadar sozinha no mar. Na mesma praia, banhistas homens morrem de repente.

 

 

Programação

 

 

SEXTA  20/01/2017            ABERTURA DA MOSTRA     19:30

 

PROGRAMA DE CURTAS      21:00       Digital                      18 anos

Os Sapatos de Ariesteu (René Guerra, Brasil, 2008, 17′)

Trans (Mark Chapman, Grã-Bretanha, 2013, 7’20”)

Vestido de Laerte (Claudia Priscilla e Pedro Marques, Brasil, 2012, 13′)

Spermwhore (Anna Linder, Suécia, 2016, 12′)

Kindil El-Bahir (Damien Ounouri, Argélia, 2015, 40′)

 

SÁBADO 21/01 

CINCO GRAÇAS (Deniz Gamze Ergüven, 2015, 97′)     17:00     Digital     14 anos

MENINOS NÃO CHORAM (Kimberly Peirce, 1999, 118′)     19:00     Digital     18 anos

 

DOMINGO 22/01            

JEANNE DIELMAN (Chantal Akerman, 1975, 201′)     16:00    Digital     18 anos

HEDWIG – ROCK, AMOR E TRAIÇÃO (John C Mitchell, 2001, 95′)     20:00      Digital     16 anos

 

SEGUNDA 23/01              

QUANTO MAIS QUENTE MELHOR (Billy Wilder, 1959, 121′)     18:30     Digital     LIVRE

MINHA VIDA EM COR-DE-ROSA (Alain Berliner, 1997, 88′)     21:00     Digital     14 anos

 

TERÇA  24/01           CCBB FECHADO

                                                                                                             

QUARTA 25/01

ELVIS E MADONA (Marcelo Laffitte, 2010, 105′)      18:30     Digital     12 anos

OSAMA (Siddiq Barmak, 2003, 83′)     21:00    Digital     12 anos

 

QUINTA 26/01 

MENINOS NÃO CHORAM (Kimberly Peirce, 1999, 118′)     18:30     Digital     18 anos

DOCE AMIANTO (Guto Parente e Uirá dos Reis, 2013, 70′)     21:00    Digital    16 anos

 

SEXTA 27/01     

JEANNE DIELMAN (Chantal Akerman, 1975, 201)     17:00     Digital     18 anos

TOMBOY (Céline Sciamma, 2011, 82′)     21:00     Digital     10 anos

 

SÁBADO 28/01 

QUANTO MAIS QUENTE MELHOR (Billy Wilder, 1959, 121′)     16:30      Digital     LIVRE

XXY (Lucía Puenzo, 2007, 86′)     19:00     Digital     16 anos

 

DOMINGO 29/01            

FORÇA MAIOR (Ruben Östlund, 2014, 120′)     17:00     Digital     12 anos

TUDO SOBRE MINHA MÃE (Pedro Almodóvar, 1999, 101′)     19:30     Digital     14 anos

 

SEGUNDA 30/01              

GAROTAS (Céline Sciamma, 2014, 113′)     longa     18:30      Digital     16 anos

HEDWIG – ROCK, AMOR E TRAIÇÃO (John C Mitchell, 2001, 95′)     21:00     Digital     16 anos

 

QUARTA  01/02               

BILLY ELLIOT (Stephen Daldry, 2000, 110′)     18:30     Digital     12 anos

 

PROGRAMA DE CURTAS      21:00       Digital                      18 anos

Os Sapatos de Ariesteu (René Guerra, Brasil, 2008, 17′)

Trans (Mark Chapman, Grã-Bretanha, 2013, 7’20”)

Vestido de Laerte (Claudia Priscilla e Pedro Marques, Brasil, 2012, 13′)

Spermwhore (Anna Linder, Suécia, 2016, 12′)

Kindil El-Bahir (Damien Ounouri, Argélia, 2015, 40′)

QUINTA 02/02 

INDIA SONG (Marguerite Duras, 1975, 120′)     18:30     35mm     18 anos

MINHA VIDA EM COR-DE-ROSA (Alain Berliner, 1997, 88′)     21:00     Digital     14 anos

 

SEXTA 03/02     

MADAME SATÃ (Karim Aïnouz, 2002, 105′)     18:30     35mm     18 anos

ORLANDO – A MULHER IMORTAL (Sally Potter, 1992, 94′)     21:00     Digital     14 anos

 

SÁBADO 04/02 

TIRESIA (Bertrand Bonello, 2003, 115′     17:00     Digital     18 anos

DEBATE: “Variações Sobre Gênero no Cinema”

  • Debate com tradução em libras. Na mesa: a atriz Clara Chouveaux  (do filmeTiresia), o curador Gustavo Galvão e a psicóloga e professora Jaqueline de Jesus

 

DOMINGO 05/02            

LAURENCE ANYWAYS (Xavier Dolan, 2012, 159′)     16:30     35mm     18 anos

TOMBOY (Céline Sciamma, 2011, 82′)     20:00     Digital      10 anos

 

SEGUNDA 06/02              

INDIA SONG (Marguerite Duras, 1975, 120′)     18:30      35mm     18 anos

TUDO SOBRE MINHA MÃE (Pedro Almodóvar, 1999, 101′)     20:50     Digital     14 anos

 

TERÇA 07/02            CCBB FECHADO

 

QUARTA  08/02               

MADAME SATÃ (Karim Aïnouz, 2002, 105′)     18:30     35mm     18 anos

TIRESIA (Bertrand Bonello, 2003, 115′)     20:40     Digital     18 anos

 

QUINTA 09/02 

FORÇA MAIOR (Ruben Östlund, 2014, 120′)    18:30     Digital     12 anos

CINCO GRAÇAS (Deniz Gamze Ergüven, 2015, 97′)     21:00     Digital     14 anos

 

SEXTA 10/02     

LAURENCE ANYWAYS (Xavier Dolan, 2012, 159′)     18:00     35mm     18 anos

OSAMA (Siddiq Barmak, 2003, 83′)     21:00     Digital      12 anos

 

SÁBADO 11/02 

ORLANDO (Sally Potter, 1992, 94′)     17:00     Digital     14 anos

DOCE AMIANTO (Guto Parente e Uirá dos Reis, 2013, 70′)     19:00     Digital     16 anos – Legendagem descritiva e Audiodescrição

 

DOMINGO 12/02            

GAROTAS (Céline Sciamma, 2014, 113′)      17:00      Digital     16 anos                                -

ELVIS E MADONA (Marcelo Laffitte, 2010, 105′)     19:30     Digital     12 anos

 

SEGUNDA 13/02              

BILLY ELLIOT (Stephen Daldry, 2000, 110′)     18:30     Digital     12 anos

XXY (Lucía Puenzo, 2007, 86′)     21:00     Digital     16 anos

Gostou do evento?

CCBB DFcomo chegar

Centro Cultural Banco do Brasil Brasília

SCES, Trecho 02, lote 22 CEP: 70200-002 | Brasília (DF) (61) 3108-7600

ccbbdf@bb.com.brFuncionamento: de quarta a segunda, das 9h às 21h.

Transporte gratuito
Como chegar